Home Notícias Regionais Prefeito de Rebouças inicia Ação Civil Pública contra SANEPAR por falhas crônicas no fornecimento de água

Prefeito de Rebouças inicia Ação Civil Pública contra SANEPAR por falhas crônicas no fornecimento de água

0
AGÊNCIA REBOUÇAS- Rua: José Afonso Vieira Lopes, 303 - Centro, Tel (42) 3457-1100

No dia 21 de novembro, o prefeito de Rebouças, Luiz Zak, tomou uma decisão em resposta às frequentes falhas no fornecimento de água potável que têm assolado o município. Protocolou, junto ao Juízo da Fazenda Pública da Comarca de Rebouças, uma Ação Civil Pública contra a Companhia de Saneamento do Paraná (SANEPAR). Esta ação tem por objetivo primordial a defesa dos interesses difusos e individuais homogêneos dos consumidores, buscando, de forma direta, reparação por danos materiais e morais, tanto individuais quanto coletivos.

O embasamento para tal ação é a contínua e reiterada negligência percebida nas ações e omissões da SANEPAR, uma concessionária responsável pelo serviço público de abastecimento de água potável e esgotamento sanitário em Rebouças. O município se baseia na necessidade de salvaguardar seu próprio direito e o de toda a coletividade consumidora, alegando que têm sido afetados repetidamente pelas ações inadequadas da referida concessionária.

O município, representado pelo Poder Executivo, na peça processual, cita como exemplo  o constante em matérias jornalísticas  denominadas “ Rebouças enfrenta novo capítulo de escassez de água: população aflita”,  veiculada em   https://www.portalnoticiadaregiao.com.br/reboucas-enfrenta-novo-capitulo-de-escassez-de-agua-populacao-aflita/ e, “A Saga da Água em Rebouças”, em comentário feito pelo jornalista Clayton Burgath (https://www.portalnoticiadaregiao.com.br/a-saga-da-agua-em-reboucas/)

O cerne da reclamação e pedido de condenação contra a SANEPAR concentra-se na obrigação de indenizar danos materiais e morais individuais, conforme previsto no artigo 91 da Lei nº 8.078/1990, e em danos morais difusos, de acordo com o artigo 1º, inciso II, da Lei nº 7.347/1985, em favor do grupo social atingido pelas constantes interrupções no fornecimento de água potável no município de Rebouças.

O contrato inicial, estabelecido em 30 de setembro de 1974, atribuiu à SANEPAR a responsabilidade exclusiva de estudar, projetar, executar, operar, manter e administrar os serviços de água potável e esgoto sanitário, incluindo a fixação de tarifas e a prestação de contas, para todos os consumidores residentes no município. Consequentemente, a SANEPAR detém o monopólio desses serviços essenciais em Rebouças.

Entretanto, nos últimos anos, tem-se observado um preocupante padrão de interrupções no fornecimento de água potável à população, totalizando mais de uma dezena de ocorrências. “Essas interrupções, em várias situações, persistem por dias a fio, afetando, por vezes, até 100% da população consumidora da concessionária”, frisa o Executivo.

A cada interrupção, a administração pública é obrigada a tomar medidas emergenciais, como o envio de comunicações formais à SANEPAR, solicitando esclarecimentos, além de providenciar o abastecimento temporário de água potável por meio de caminhões-pipa, visando situações críticas.

Um caso emblemático ocorreu entre os dias 17 e 21 de janeiro de 2022, quando a SANEPAR interrompeu completamente o fornecimento de água potável para 100% da população de Rebouças, resultando em danos materiais e morais, individuais e coletivos, não apenas para os usuários pagantes, mas para todos que transitavam na cidade, equiparados aos usuários-contratantes.

“Essas interrupções têm acarretado prejuízos financeiros, transtornos pessoais e sofrimento físico e psicológico aos consumidores. A ausência de água encanada priva as pessoas de necessidades básicas como beber água, preparar alimentos, higiene pessoal, limpeza doméstica e lavagem de roupas, afetando também diversas atividades comerciais, públicas e educacionais”, lembra o prefeito Luiz Zak.

Apesar de a SANEPAR divulgar informações sobre as interrupções em seu site, o município de Rebouças alega que tais dados não refletem a realidade, minimizando a extensão e a duração das interrupções. Por exemplo, a interrupção recente, iniciada em 17 de novembro e ainda afetando parte da população em 21 de novembro, é relatada apenas como um evento no dia 20 de novembro.

Esta discordância entre o poder público municipal e a concessionária SANEPAR reflete uma discordância crucial em relação ao cumprimento dos serviços essenciais de abastecimento de água. O embate ressalta a importância do debate sobre responsabilidades e direitos dos consumidores, evidenciando a necessidade de uma solução efetiva para as frequentes falhas no fornecimento de água potável em Rebouças.

O município pede a instalação da causa no valor de R$ 100.000,00 (cem mil reais).

CLIQUE AQUI, PARA MAIS DETALHES
Comentários estão fechados.

Veja Também

REBOUÇAS – Situação na Rua Tadeu Pisckorz, Alto da Glória, preocupa moradores

No dia 20 de abril, um internauta entrou em contato com nossa redação para relatar a situa…