Home Política Voto impresso auditável: entenda a diferença para o atual modelo

Voto impresso auditável: entenda a diferença para o atual modelo

0

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), almoça com líderes de partidos governistas também nesta 2ª feira para discutir a votação em plenário da PEC do voto impresso. A proposta foi rejeitada em comissão especial, mas será levada ao plenário da Casa. Deve ser votada na 3ª feira (10.ago.2021) e o risco de derrota para o governo é alto….

_____continua após publicidade_____

Nos últimos dias, ouviu-se muito falar em voto impresso e auditável. Mas, afinal, o que é esse modelo de execução da cidadania e por que o assunto ficou tão evidente?  Atualmente, no Brasil, para votar em qualquer eleição, é preciso digitar o número do candidato escolhido na urna eletrônica.

Depois de digitado, o monitor do equipamento informa o nome do candidato, acompanhado da foto dele. Isso serve para que o eleitor possa conferir se os dados estão corretos, antes da confirmação.

Caso a PEC 135/2019, que tramita na Câmara dos Deputados, seja aprovada e transformada em Lei, o voto impresso não será igual às cédulas de papel depositadas em urnas, como antigamente. A ideia, segundo o cientista político André César, é que, depois de confirmar que o candidato é o escolhido, o próprio sistema imprime o registro do voto e deposita automaticamente em uma urna lacrada.

Tanto o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) como especialistas, explicam que a auditoria do voto já é praticada no modelo atual. Isso ocorre para garantir a lisura do processo eleitoral. A auditoria também é solicitada no modelo defendido por Bolsonaro.

Neste caso, o cientista político Leandro Gabiati entende que há pontos negativos e positivos. Assim, ele destaca como vantagem o fato de haver mais um mecanismo para checagem dos votos. Porém, ele entende que isso abre margem para sempre haver apelação para esse recurso, indiscriminadamente.

De acordo com o Tribunal, existem várias auditorias que podem ser feitas desde às vésperas das eleições. Além das auditorias internas, realizadas pelo TSE, candidatos, cidadãos, partidos políticos, fiscais de partidos, Ministério Público e OAB podem fazer a fiscalização durante o processo.

Comentários estão fechados.

Veja Também

Deputado esquece microfone ligado e xinga Arthur Lira de “fdp”

O fato ocorreu no final da sessão plenária do último dia 17 de setembro, onde o parlamenta…