Home Notícias Regionais RIO AZUL – Haviam 17 obras paralisadas. “Onde estava o Poder fiscalizador”, questiona secretária

RIO AZUL – Haviam 17 obras paralisadas. “Onde estava o Poder fiscalizador”, questiona secretária

0

“Na atualidade foi possível tornar realidade 12 km de vias recuperadas e pavimentadas , o que representa um investimento de 06 milhões e 800 mil reais.

A Engenheira Civil, Adrielly Santos, Secretária de Planejamento da Prefeitura de Rio Azul fez uma retrospectiva das ações na atualidade, e um comparativos com gestões anteriores.

Adrielly destaca que em gestão pública, não há demora em executar projetos, o que pode ocorrer é encontrar situações que precisam ser reformuladas, em virtude de mau planejamento de determinados projetos. Foi o que a atual gestão municipal herdou, de acordo com ela.

DESCASO – “O que encontrei, em 2017, quando assumi o setor de engenharia da prefeitura, era um verdadeiro descaso. Como exemplo, o convênio de pavimentação em pedras poliédricas na Vila Cristo Rei (era de 2009) e ainda não havia sido executado”, frisa a Engenheira Civil.

Segundo ela, como o convênio ainda estava vigente e o projeto aprovado, foi necessário fazer uma reprogramação do valor, e para isso se fez necessário o devido processo licitatório e posterior execução.

“Mas haviam outras obras – iniciadas- mas estavam paralisadas. O Portal de acesso à cidade é mais um exemplo. Ele foi licitado ainda em 2013, mas paralisado sob a justificativa de ter sido construído embaixo da rede de alta tensão”, menciona Adrielly Santos.

Essa obra teve também de ser reprogramada, o que demanda de tempo, sendo finalizada em 2018.

CENTRO DE EVENTOS – Mais um problema a ser resolvido (e foi). Obra localizada dentro do Parque da Pedreira, começou a ser executado ainda em 2011, e parou.

“A alegação dessa paralisação foi de que haviam problemas de fundação. No entanto, não encontramos no setor de engenharia nenhum laudo que efetivamente comprovasse isso.  Mas a atual gestão conseguiu concluir essa importante obra em 2018, a qual não apresenta problemas, sendo usada para eventos do município”, destaca Adrielly.

ANTIGO PROJETO DE RECAPE ASFÁLTICO – Adrielly é categórica ao afirmar que o recape asfáltico na Rua Paulo Burko não apresenta problemas, como até ventilou-se em algumas conversas.

“Na realidade a ordem de serviço para o recape asfáltico foi assinado no dia 30 de junho de 2016, contudo a empresa vencedora da licitação não começou a obra. Em janeiro do ano seguinte, a empresa alegou que não tinha interesse em executar a obra porque o valor estaria defasado. Assim, tivemos de reprogramar, mas sem mexer no projeto, e a obra foi executada!”, justifica ela.

EM CONFORMIDADE COM AS DIRETRIZES – Outro ponto sobre essa mesma obra, conforme Adrielly Santos, alguém pode até questionar num primeiro momento sobre a largura dessa rua, que está em desacordo com as normas municipais, ou algo parecido. “ Na realidade, ao observarmos o artigo 64 do Plano Diretor, que fala do Sistema Viário do Município, diz que  as vias públicas municipais do perímetro urbano existentes antes da aprovação do Plano Diretor, com largura inferior à constante no Plano Diretor, manterão as dimensões originais, mesmo não configuradas na largura constante nos incisos I e II, do artigo 64, da citada Lei”, embasa a  engenheira.

Adrielly afirma que a Rua Paulo Burko, com base nas diretrizes, mantém a largura de origem.

CAIXA NÃO APROVA OBRAS INCORRETAS – “É importante frisar, e que por vezes alguns se esquecem desse detalhe, mas o fato é que a Caixa Econômica Federal não aprova nenhum projeto se o mesmo não estiver conforme o que prescreve o Plano Diretor do Município”, lembra o prefeito Rodrigo Solda. “Essa obra foi, portanto, executada ainda no primeiro trimestre de 2018”, conclui o prefeito.

MAIS READEQUAÇÕES E RETOMADA DE OBRAS – De acordo com a Secretária de Planejamento da Prefeitura havia um rol de outras obras que foram encontradas pela atual gestão paralisadas.  Como o prédio do CRAS, na Rua Expedicionário Antônio Cação, que é oriundo de um convênio ainda de 2013.  A Academia de Saúde do Estádio Municipal, resultado de convênio de 2014. A Quadra de Esportes de Taquari e de Porto Soares, obra que remete convênios de 2013 e 2014.  Reforma da UBS na Barra da Cachoeira, resultado de um convênio ainda de 2015. A Escola da Invernada e Barra da Cachoeira. Essas obras estavam paralisadas por problemas de orçamento, Campo da Cachoeira dos Paulistas (convênio de 2016).

“Somando tudo o que encontramos chegamos ao expressivo número de 17 obras, as quais estavam inacabadas, mas concluídas na atualidade”, frisa a Secretária de Planejamento.

PODER DE FISCALIZAÇÃO– Adrielly questiona sobre o poder de fiscalização há quem de ofício, que não observou/fiscalizou ao longo de todos esses anos tantas obras e projetos paradas, sendo para o benefício da população. “Será que fiscaliza-se só o que é de interesse de alguns?”, questiona ela.

Pior que, de acordo com a secretária, somente entre os anos de 2013 e 2016 a pasta pagou 450 mil reais com engenheiros contratados.

“E onde estava essa engenharia, com tanta obra parada?”

A Secretária de Planejamento informa que na atualidade foram realizadas várias obras de pavimentação, como:

PAVIMENTAÇÕES REALIZADAS 2017

Recape Asfáltico na Rua Paulo Burko – R$ 709.913,43 Pavimentação Poliédrica da Vila Cristo Rei – R$ 147.087,47 Recape Asfáltico em CBUQ na Avenida Manoel Ribas – R$ 988.595,73

Implantação de Travessias Elevadas – R$ 69.550,00 2018/2019 Recape, adequação e sinalização viária da Avenida Manoel Ribas – R$ 614.902,07

Pavimentação da Rodovia do Peixe e Recuperação da Rua Paulo Burko – R$ 1.811.689,24

Pavimentação da Avenida Manoel Ribas na Vila Feliz – Rotatória – R$ 540.279,09

2019/2020 Pavimentação da Rua Nossa Senhora da Luz – R$ 1.319.904,37

Pavimentação das Ruas Antônio Cação e Jacob Burko – R$ 362.132,75

“Na atualidade foi possível tornar realidade 12 km de vias recuperadas e pavimentadas (até agora). Isso representa um investimento de seis milhões e oitocentos mil reais”, ressalta a Secretária de Planejamento.

PROJETOS DE 2020

Adelermo Camargo e ruas de travessia – R$ 1,2 milhão – Obra Licitada – Início em maio/junho de 2020 Pavimentação nova na Rodovia Francisco Gluszczyski, no sentido Rio Azul de Cima-Lajeado – R$ 1 milhão – Convênio Celebrado Pavimentação Poliédrica (Drenagem) na Vila Cristo Rei – R$ 400 mil – Convênio Celebrado Recape na Rua Honório Pires – R$ 350 mil

“Somadas, serão obras que chegam a três mil e oitocentos quilômetros de nova pavimentação, o que representa um investimento de três milhões e duzentos mil reais”, conclui a Secretária de Planejamento de Rio Azul.

Da Redação, com informações

Folha de Irati

 

Comentários estão fechados.

Veja Também

27-09: Rebouças, Santa Missa 26° Domingo do Tempo Comum