Home Notícias Regionais Rebouças: Tradição, cultura fé irão ganhar destaque na 2ª Festa do Monge João Maria

Rebouças: Tradição, cultura fé irão ganhar destaque na 2ª Festa do Monge João Maria

0
AGÊNCIA REBOUÇAS- Rua: José Afonso Vieira Lopes, 303 - Centro, Tel (42) 3457-1100

Por Clayton Burgath, Jornalista

Rebouças, PR – Em um encontro que promete celebrar as raízes culturais e as tradições ancestrais da região, a cidade de Rebouças, se prepara para receber a tradicional Festa do Monge João Maria. Marcada para o sábado, dia 19 de agosto, a festividade acontecerá no  Parque Ambiental Monge João Maria, um local que ecoa histórias e lendas seculares. O parque está localizado no prolongamento da Rua Vitório Cruz, em Rebouças-Pr.

imagem: redes sociais

Ana Maria dos Santos (Benzedeira),  não só pratica o ofício ancestral de benzer, mas também desempenha um papel fundamental como coordenadora do Movimento Aprendizes da Sabedoria (MASA). Sua dedicação à preservação das tradições a coloca como parte integrante da Rede Puxirão de Povos e Comunidades Tradicionais, além de ocupar uma posição de destaque no Conselho Estadual de Povos Indígenas e Comunidades Tradicionais do Paraná.

ANA MARIA OS SANTOS, Foto: Reprodução Estúdio C

O objetivo principal do evento, segundo Ana Maria, é fortalecer e divulgar as ricas tradições e costumes das benzedeiras do Centro-Sul do Paraná. A própria Ana Maria aprendeu as práticas de benzer com seu pai na comunidade de Rio Bonito. Além disso, ela é detentora de um profundo conhecimento das profecias do Monge João Maria e uma fervorosa defensora dos Olhos d’Água associados a ele. Sua dedicação à causa é evidente em suas ações passadas, como sua participação no Mapeamento Social das Benzedeiras de Rebouças e sua luta incansável pela aprovação da Lei Municipal 1.401/2010. Esta lei pioneira no Brasil reconhece a identidade étnica e coletiva das benzedeiras e regulamenta o acesso livre às plantas medicinais.

Ana Maria também compartilhou detalhes emocionantes sobre a programação da festa. Um aspecto único deste encontro é o café compartilhado, que evoca um senso de comunhão e partilha. Os participantes são convidados a trazer suas próprias canecas, pratos e talheres, bem como um alimento para contribuir com o café coletivo. “Além disso, a água benta do olho d’água, que existe no Parque Ambiental Monge João Maria;  um símbolo de significado profundo para os frequentadores da festa, pode ser levada para casa em uma garrafinha pessoal”, lembra Ana Maria.

“Cuidar da vida: é a nossa Missão!”, enfatizou ela, resumindo o espírito essencial da Festa do Monge João Maria. Enquanto Rebouças se prepara para receber visitantes e moradores locais nesse evento enriquecedor, fica claro que as tradições, a cultura e a identidade estão no centro dessa celebração.

A Festa do Monge João Maria não é apenas um encontro anual, mas também uma celebração do passado que molda o presente e inspira o futuro, unindo as pessoas por meio de uma herança compartilhada e de um profundo respeito pelas raízes culturais.

**Certificação Reconhece Benzedeiras como Agentes de Saúde Pública em Rebouças**

Em Rebouças, um movimento histórico tem vindo à tona, reconhecendo as benzedeiras como agentes de saúde pública. Ana Maria, uma notável benzedeira da região, é uma das protagonistas desse renascimento das tradições ancestrais.

Ana Maria carrega consigo um ofício transmitido por várias gerações. Sua linhagem remonta ao bisavô, um benzedeiro e descendente de índios. Com o passar dos anos, esse conhecimento precioso foi transmitido de pai para filho, enraizando-se profundamente em sua história familiar.

NA HISTÓRIA:

A historiadora e pesquisadora da Universidade Estadual de Maringá (UEM), Vânia Inácio Costa Gomes, contextualiza essa prática ancestral que ainda perdura em território brasileiro. Ela destaca as diferentes manifestações culturais nas diversas regiões do país. Enquanto o Nordeste reflete uma influência mais marcante de matrizes africanas, no Paraná, a prática encontra raízes no catolicismo popular.

Ao longo do século XX, o trabalho das benzedeiras foi extremamente procurado pela população, buscando curas tanto para males físicos quanto mentais. Entretanto, com o avanço da medicina e o desinteresse das novas gerações em seguir esse caminho, a atividade foi gradativamente perdendo espaço. Apesar desse contexto de transformações, a comunidade de benzedeiras manteve uma resistência tenaz ao passar do tempo.

O movimento atual em Rebouças, que reconhece as benzedeiras como agentes de saúde pública, representa uma reconciliação com as tradições enraizadas. Ana Maria, com sua herança de sabedoria e práticas ancestrais, personifica essa ligação vital entre o passado e o presente, entre as antigas crenças e as necessidades contemporâneas. Enquanto a medicina avança, há um renovado respeito e admiração pela sabedoria que persistiu mesmo em face das mudanças culturais e sociais.

Comentários estão fechados.

Veja Também

Rebouças- Terreno de Hospital é penhorado e será levado a leilão para pagamento de dívida trabalhista de aproximadamente de R$ 2 Milhões

No entanto,  o credor teria informado que só não levará adiante esse processo em caso de t…