Home Notícias Regionais Rebouças: Desvendando a História das Comunidades

Rebouças: Desvendando a História das Comunidades

1
AGÊNCIA REBOUÇAS- Rua: José Afonso Vieira Lopes, 303 - Centro, Tel (42) 3457-1100

Ao longo de seus 93 anos de existência, Rebouças guarda consigo uma rica e fascinante história. Nossa redação buscou resgatar informações sobre a origem das comunidades que compõem o município.
Graças ao histórico livro do professor Félix Szrajia, “História de Rebouças”, (novembro de 2000), é possível conhecer o significado por trás dos nomes dessas localidades.

As comunidades de Rebouças são batizadas com nomes que muitas vezes remetem à história, tradições locais e características geográficas que as cercam. Essa nomenclatura pode estar relacionada a figuras notáveis, eventos marcantes ou aspectos culturais que moldaram a região ao longo do tempo.

Nesta edição especial, à medida que Rebouças se prepara para celebrar seus 93 anos de emancipação política em 21 de setembro deste ano, nosso objetivo é compartilhar as origens dos nomes dessas comunidades. Isso nos permitirá compreender de forma mais profunda as raízes e a identidade das áreas que compõem este município.

A história da cidade é um testemunho vivo da evolução e da vida das comunidades locais, e é essencial preservá-la para as futuras gerações.

Aqui estão algumas das histórias fascinantes:

– **Água Quente dos Domingues:** Homenagem à família Domingues, os primeiros habitantes, com indícios de uma presença anterior de índios (bugres) na região.

– **Água Quente dos Luz:** Recebe seu nome devido ao rio que a corta e que, segundo a lenda, era mais quente nas madrugadas em que os índios locais o frequentavam.

– **Barreiro:** O nome se origina da presença frequente, à época, de capivaras na região, que atraíam caçadores para o terreno baixo e barrento.

– **Cachoeira dos Domingues:** Nomeada após a existência de uma cachoeira na propriedade da família Domingues.

– **Conceição de Baixo:** Sua capela dedicada a Nossa Senhora da Conceição é o berço da comunidade.

– **Conceição de Cima:** Acredita-se que seu nome esteja relacionado a uma história de amor que não foi detalhada, e suas primeiras famílias eram de origem ucraniana e austríaca.

– **Marmeleiro:** Batizada em razão da abundância de pés de marmelo na região, também tinha uma variação chamada Marmeleiro de Baixo, antigamente conhecida como Faxinal das Estrelas.

– **Pantâno Preto:** Recebeu seu nome devido a uma estrada que passava por uma área com barro preto e alagadiço.

– **Poço Bonito:** O nome se originou de um rio na região e de um grande poço, local utilizado para lavagem de roupas pelas donas de casa,.

– **Potinga:** Batizada em homenagem ao rio que a corta, o Rio Potinga, que é afluente à margem direita do Rio Iguaçu.

– **Rio Bonito:** Antes conhecida como Pereiras, seu nome atual se refere ao rio que a atravessa.

– **Rio Corrente:** Nomeada em homenagem aos primeiros desbravadores da região, como Herculano Cabral, João Barros Cabral, Luiz Molinari e Flórido Cabral.

– **Riozinho de Baixo:** Ganhou esse nome por ser cortada por um pequeno rio.

– **Riozinho dos Santos:** Deve seu nome à presença de dois rios na região e à família de Benedito Cordeiro dos Santos, seus primeiros moradores.

– **Rodeio:** Seu nome se origina de uma raia onde aconteciam corridas de cavalos.

– **Coxos:** Diz-se que o nome surgiu porque tropeiros, ao passarem pela região, costumava

m parar e descansar, e alimentar os animais em “coxos”.

– **Saltinho:** Antes chamada de Porto Mineiro, passou a se chamar Saltinho devido à existência de uma cachoeira nas proximidades.

– **Salto:** Nomeada devido às duas cachoeiras nos rios que cortam a região.

– **Sunira:** A comunidade surgiu com a instalação da serraria de propriedade de Joaquim Lompo, denominada Serraria Sunira, instalada em 1947.

Além das histórias fascinantes por trás dos nomes das comunidades, a edição também explora o desafio enfrentado pelas primeiras administrações municipais para construir estradas em uma época em que as condições eram extremamente precárias. A falta de maquinário e recursos humanos limitados não impediu esses pioneiros de construir as estradas que formariam o alicerce da infraestrutura de Rebouças.

Este é apenas um vislumbre sobre a história rica deste município à medida que celebramos seus 93 anos de olhamos com esperança para o futuro.

Comentários estão fechados.

Veja Também

VÍDEO – Reunião na Câmara de Vereadores de Rebouças termina sem consenso sobre gestão do Hospital Dona Darcy Vargas

Partes divergem sobre  eventuais soluções relacionadas a atual diretoria do hospital por: …