Home Geral Nomofobia: como diminuir o uso em excesso do celular?

Nomofobia: como diminuir o uso em excesso do celular?

0
AGÊNCIA REBOUÇAS- Rua: José Afonso Vieira Lopes, 303 - Centro, Tel (42) 3457-1100

Com os avanços tecnológicos e as novas necessidades de mercado, cada vez mais os indivíduos utilizam dispositivos como computadores e celulares em sua rotina, seja no ambiente de trabalho ou na vida pessoal. Mas, já é sabido que o uso exacerbado pode ocasionar impactos na saúde física e mental.

E neste cenário de uma população hiper conectada, um novo termo vem ficando evidente na psicologia: a nomofobia.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

De acordo com a professora de Psicologia do Centro Universitário Braz Cubas, Sara Silva, a nomofobia é um termo forte no mundo moderno, assim como muitos outros que se originam de novas tecnologias. “Esse sentimento psicológico faz referência às sensações observadas ‘no modo off-line’, ou seja, na desconexão ou no medo dela. E a partir disso as pessoas passam a sentir ansiedade, desconforto, nervosismo, angústia, pânico, além de sintomas físicos como aperto no peito, taquicardia e suor frio”, cita.

Sara explica que ainda é difícil definir as causas e efeitos da nomofobia. No momento, parece é uma combinação de fatores como baixa autoestima, nível elevado de ansiedade e impulsividade. “Alguns sinais de alerta são: sempre tem um dispositivo para recarregar a bateria; monitoramento constante do aparelho para verificação de notificações; celular está sempre ligado, inclusive em momentos não oportunos como estar na cama próximo a pessoa quando vai dormir; se o celular fica inutilizável por qualquer razão, surge ansiedade, angústia e nervosismo; medo de ficar sem conexão, é o primeiro e último instrumento que a pessoa acessa; limita suas atividades para locais onde conseguirá ficar conectado.”

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE

A nomofobia está nos critérios de diagnóstico do Manual de Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-V) de fobia por coisas particulares e específicas. “A patologia é percebida quando a pessoa afasta ou está sem o objeto e apresenta sintomas semelhantes aos da síndrome de dependência de substâncias. Por isso, alguns estudiosos defendem que o termo seja incluído também no DSM-V como uma entidade diagnóstica por espécie de vício tecnológico”.

Os sintomas de dependência patológica são identificados quando há: nervosismo, agitação, ansiedade, taquicardia, angústia, sudorese, tudo em um medo que afeta a saúde e o dia a dia da pessoa.

Para auxiliar as pessoas dependentes do celular, a professora de Psicologia da Braz Cubas elencou algumas dicas para reduzir o uso do aparelho e seus impactos na rotina.

Confira:

  1. Limitação do uso de celular. É possível então limitar o uso dos aparelhos, principalmente antes de dormir e ao acordar, assim cuidando para um sono de qualidade;
  1. Não usar o celular durante a alimentação. Evitar o uso nos horários das refeições para manter uma alimentação consciente;
  1. Definir estratégias para restabelecer o contato com o mundo presencial assim como restabelecer interações interpessoais e limitar o uso de tecnologias nesses momentos;
  1. Quando necessário buscar ajuda especializada com psicólogo e psiquiatra.

Sara finaliza reforçando que é inegável os benefícios da tecnologia. Contudo, é necessário equilibrar seu uso para preservar a saúde. “Não podemos lidar com a tecnologia como extensão de cada um, por isso, o uso consciente e responsável se faz necessário, principalmente, em tempo de pós-pandemia”, pontua.

CONTINUA APÓS PUBLICIDADE
Comentários estão fechados.

Veja Também

Alerta de Neve no Paraná: Previsões para Julho de 2024

O Paraná está sob um alerta de neve para julho de 2024, emitido por institutos de meteorol…