Home Saúde É mito: vacina contra a gripe não causa a doença

É mito: vacina contra a gripe não causa a doença

0

Você, com certeza, já viu alguém reclamar que ficou doente depois que tomou vacina contra a gripe. Mas, será mesmo que, ao invés de proteger, a vacina pode deixar a pessoa gripada? A afirmação não passa de mito, afirmam os especialistas em Saúde.
A exemplo de todos os anos, o Ministério da Saúde faz a Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe. Algumas pessoas ficam preocupadas porque, em algum momento, tomaram a vacina e, alguns dias depois, estavam com sintomas de gripe. Como isso é possível?
Marta Heloísa Lopes, especialista da Universidade de São Paulo (USP), diz que é impossível a vacina causar a gripe. Ela explica que os tipos de vírus presentes na composição da fórmula – que estimulam o organismo a produzir anticorpos -, estão “mortos.”

 

Se a vacina não pode causar a gripe, como explicar o quadro gripal que aparece em muitas pessoas depois da injeção? Há muitas respostas, segundo os especialistas em Saúde. Uma delas é que, apesar de ter eficácia próxima a 70%, o organismo de alguns indivíduos não consegue desenvolver os anticorpos para evitar a doença.
Além disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS), responsável por indicar a composição da vacina a cada ano, afirma que o organismo leva cerca de duas semanas para ficar protegido depois da injeção. Ou seja, é possível que, nesse intervalo, a pessoa seja infectada pelos vírus Influenza, que causam a gripe, ou por vírus que causa o resfriado.
Marta Lopes lembra que o inverno é a época de maior circulação dos vírus que causam infecções respiratórias. E acrescenta que é comum as pessoas confundirem sintomas de gripe com os de resfriado, entre eles tosse e coriza.

 

A vacina da gripe é eficaz contra os três tipos de vírus Influenza mais comuns no hemisfério sul. O mais conhecido deles é o Influenza A (H1N1). Os outros são o Influenza B e o A (H3N2). A Campanha Nacional de Vacinação contra a Gripe vai até 22 de maio e foi dividida em três etapas, priorizando os grupos mais vulneráveis.
Na primeira fase, o público-alvo foi composto por idosos com 60 anos ou mais e trabalhadores da saúde. No dia 16 de abril começaram a ser vacinados membros das forças de segurança e salvamento, doentes crônicos, caminhoneiros, motoristas e cobradores de transporte coletivo, portuários e população indígena. De 9 a 22 de maio, quando a campanha termina, é a vez de professores, crianças de 6 meses a menores de 6 anos, grávidas, mães no pós-parto, pessoas com 55 anos ou mais e pessoas com deficiência.

Comentários estão fechados.

Veja Também

RIO AZUL- Campanha de multivacinação, ações do Comitê de Crise do Covid e Unidade de Saúde da gripe são temas abordados em entrevista

Flexibilização de algumas restrições sobre Decreto no combate ao Covid, foram um dos temas…