Home Política Ao ministro de Minas e Energia, Romanelli reforça importância da retomada da termelétrica de Figueira

Ao ministro de Minas e Energia, Romanelli reforça importância da retomada da termelétrica de Figueira

0
AGÊNCIA REBOUÇAS- Rua: José Afonso Vieira Lopes, 303 - Centro, Tel (42) 3457-1100

Nesta quarta-feira, 21, em Brasília, o deputado Luiz Claudio Romanelli reforçou ao ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, sobre a importância da retomada no menor tempo possível das operações da termelétrica de Figueira para a região do Norte Pioneiro. “Tive uma boa audiência com o ministro. Conversamos sobre a hibernação da termelétrica de Figueira. A usina foi desativada e isso está causando grande impacto social e econômico na cidade e nos municípios da região”, disse.

“Estamos dando sequência a uma conversa que tivemos há 15 dias com o secretário nacional de Energia Elétrica, Gentil de Sá Júnior, e abrindo bons canais de diálogo para encontrar uma solução que permita a retomada das operações da usina de Figueira no menor tempo possível”, destacou Romanelli. “É uma causa paranaense que tem apoio da deputada federal Gleisi Hoffmann (PT) e do deputado federal Pedro Lupion (PP)”, completou.

A usina termelétrica de Figueira foi desativada pela Copel em 2023 e a concessão foi devolvida à União. “A paralisação da usina causa impacto em Figueira e nas cidades do seu entorno. A termelétrica representa um grande ativo econômico, não só pelos empregos e impostos que gera como também na contribuição do desenvolvimento da região”, disse.

*Impacto -* Dados do Dieese, segundo o deputado, apontam que as atividades econômicas vinculadas à geração de energia elétrica representam um número significativo de investimentos diretos e indiretos. “A interrupção das operações causa ainda uma queda no nível de renda regional e nas condições econômicas das cidades. Além de agravar uma série de carências históricas que a região enfrenta”.

O ministro adiantou ao deputado que espera a aprovação no Senado do projeto de lei 11.247/2018 que prevê a extensão do prazo para o fornecimento da energia gerada por usinas movidas a carvão até 2050. A medida atende as térmicas de Candiota (RS) e Figueira (PR), que têm contratos em vigor somente até 2028.

A Associação Brasileira do Carvão Mineral (ABCM) aponta ainda que as usinas são importantes para ajudar a dar segurança ao sistema elétrico, além de representarem apenas 0,8% da capacidade de geração no país, em se tratando de potência instalada. A associação afirma que para ter um sistema elétrico seguro, é necessário ter termelétricas. A matriz brasileira não vai se resolver só com energias renováveis, tem que ser diversificada, entende a ABCM.

*Geração -* A UTE Figueira foi instalada na década de 1960 e tinha capacidade de geração de 13 megawatts (MW) de energia. Em 2022, foi finalizado um grande investimento realizado pela Copel para a modernização da unidade. Atualmente, a usina pode gerar até 20 MW, sem a necessidade de aumento no consumo de carvão mineral.

A Copel sustenta, contudo, que a devolução da concessão faz parte da estratégia de descarbonização das operações da companhia, que já havia sido anunciada em 2023, e também segue diretrizes do setor energético nacional para mitigar emissões de gases que provocam o efeito estufa, para atender os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da ONU.

Comentários estão fechados.

Veja Também

SEM FERROVIAS NÃO TEREMOS MUITAS SOLUÇÕES LOGÍSTICAS, DIZ DEPUTADO LUIZ CLAUDIO ROMANELLI (PSD)

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSD) sustentou nesta segunda-feira, 15, que é preciso u…