Home Política 12-04 Direto da ALEP

12-04 Direto da ALEP

0

As principais notícias do dia de hoje, confira:

12/04/2021 | 17:46

EM HOMENAGEM, MESA EXECUTIVA DA ASSEMBLEIA EXALTA HUMILDADE E ATUAÇÃO DE RECALCATTI EM DEFESA DA SEGURANÇA

Sessão plenária desta segunda-feira (12) foi marcada por homenagens ao deputado Delegado Recalcatti.. Créditos: Dálie Felberg/Alep

“Um minuto de silêncio em respeito à morte do deputado Delegado Recalcatti”, pediu o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano (PSDB), no início da sessão plenária desta segunda-feira (12) como forma de prestar homenagens ao colega de parlamento, que morreu na noite de sexta-feira (9), vítima de um infarto fulminante. Traiano relembrou um pouco da trajetória do deputado, que exercia o segundo mandato e que cresceu em Francisco Beltrão, no Sudoeste, mesma região que ele representa. “Ele era um colega de trabalho muito dedicado e carinhoso com todos. A convivência com os demais deputados e com os servidores era harmônica. Delegado Recalcatti trabalhou até quinta-feira (8) conduzindo uma audiência pública em homenagem aos Consegs, onde sua fala ficou registrada mais uma vez naquilo que ele insistentemente fazia, que era a defesa da segurança pública e dos policiais”, destacou Traiano.

Em seguida, foram exibidos dois vídeos. O primeiro com uma reportagem de TV sobre o desfecho de um dos sequestros mais violentos do Paraná, no qual Recalcatti atuou, no tempo que atuava na Polícia Civil. Foi em Cambira, no ano de 1991, quando dezenas de trabalhadores rurais, mulheres e crianças foram feitos reféns dentro de um ônibus em uma estrada rural. Após uma perseguição, houve troca de tiros com a polícia. Dois sequestradores e um refém morreram e o chefe do bando acabou preso. Uma cena de terror, que mais tarde virou livro escrito por Recalcatti, como forma de homenagear os policiais.

Um segundo vídeo, produzido pela equipe da Diretoria de Comunicação da Assembleia, mostrou cenas da vida parlamentar do delegado/deputado. Atuação, que, segundo o primeiro secretário, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), foi impecável. Ele afirmou estar consternado com a morte do colega. “Tive o privilégio de poder ter mantido ao longo do tempo uma relação fraterna, respeitosa e sempre o admirei. Aqui na Assembleia, ele tinha posicionamentos muitos firmes. Ele foi a primeira voz que se levantou publicamente a favor do nosso pleito pela menor tarifa do pedágio, bandeira assumida por toda a Casa posteriormente”, ressaltou e complementou: “Vai-se o homem, fica o exemplo. Um parlamentar muito atuante, que exerceu com dignidade o mandato e um grande exemplo para todos nós”.

Presentes no plenário, o chefe de Gabinete, Vinicius Borges, a nora Regiane dos Anjos Borges e o filho Felipe se emocionaram. “Queria agradecer a todos pelas homenagens e dizer que eu fui o maior presenteado de tê-lo como pai. Uma pessoa que deixou apenas coisas boas para nós que convivemos com ele. É um orgulho estar aqui recebendo essa homenagem. Prometo que vou honrar o legado deixado por ele com todas as minhas forças”, declarou Felipe, da Tribuna.

O deputado Jacovós (PL) lamentou a perda e lastimou a ausência de Recalcatti na Casa a partir de agora. Ele classificou o parlamentar como “um grande líder da bancada da Segurança Pública. Um verdadeiro timoneiro, o nosso xerife”.

Ele lembrou que o dia a dia na área da segurança transforma os profissionais em pessoas duras, sisudas, os chamados popularmente de “casca grossas”. Mas ressaltou que, no caso do delegado Recalcatti, por trás disso, havia um homem afetuoso, de bom coração. “Recalcatti só era exigente com seus funcionários de gabinete em relação ao cumprimento de horários e que todos estivessem a par do que acontecia no local. E ele fazia questão de tratar a todos que o procuravam com gentileza e humildade”, enfatizou, bastante comovido.

Colegas prestam homenagens – Em clima de comoção, diversos deputados se manifestaram para homenagear o amigo e colega de parlamento no decorrer da sessão plenária.

O segundo secretário da Assembleia, deputado Gilson de Souza (PSC) também falou do jeito sisudo de Recalcatti que escondia a verdadeira face do deputado. “Aqueles que realmente o conheciam apenas pelas reportagens ou de vista não tiveram a oportunidade de conhecer o verdadeiro Delegado Recalcatti. Uma pessoa generosa, uma pessoa que amava a sua família e vimos seu sofrimento quando da perda da esposa e a forma como se referia a sua família. Uma pessoa com grande coração e que vai deixar muita saudade e fará falta para nossa sociedade que precisa de pessoas assim”.

Entre os   que representam a área da segurança pública na Assembleia, Subtenente Everton (PSL) disse, emocionado, que o dia estava muito difícil. “O jeito sisudo dele era sempre transformado com um sorriso. Era um grande amigo. Para mim e para a Assembleia, ele vai deixar um grande vazio”.

Mauro Moraes, que também é líder do PSD na Assembleia, relatou um pouco da história de Recalcatti, destacando sua lisura e honestidade. “Nunca ouvi nenhuma palavra de queixa contra o meu amigo. Ao contrário, ouvi muitos elogios à pessoa dele. As palavras que uso para definí-lo são: fé, honra e ideal”.

O líder do Governo, deputado Hussein Bakri (PSD), fez ecoar o mesmo toque de chamadas do telefone do deputado Recalcatti: o do Hino Nacional, que ele considerou que fez do seu mandato uma missão. “Essa será uma sessão que ficará guardada para sempre na nossa memória, porque é toda dedicada ao nosso companheiro, que nunca deixou de atender aos seus eleitores. Era muito dedicado à função e que vai fazer muita falta aqui”.

“Quero deixar aqui uma saudação especial à família do deputado Recalcatti. Ele era um grande companheiro”, destacou Arilson Chiorato (PT).  Homero Marchese (PROS), destacou a atuação em defesa da polícia.  “Era um deputado que sempre pedia nosso apoio quando o assunto eram projetos voltados para a área policial”.

Evandro Araújo (PSC) exaltou a atuação, o cuidado e a gentileza do deputado.  “Ele era sempre muito elogioso de nosso trabalho. E sempre que tínhamos um projeto com uma causa nobre, ele sempre apoiava. Quero honrar a memória deste grande amigo neste momento”.

Michele Caputo (PSDB) leu um poema de Santo Agostinho sobre o significado da morte para homenagear o ex-colega de plenário. “Acho que essa oração nos traz o conforto de lembrar o legado de Recalcatti, com todo o bom humor que tinha e o compromisso com o mandato”.

Para Nelson Justus (DEM), Recalcatti “era um homem tão doce, que não combinava em nada com aquela primeira impressão de uma pessoa sisuda, imposta pela profissão. Sempre atuante, bem-humorado, descontraído. E todas as vezes que precisei dele, fui prontamente atendido”.

Douglas Fabrício (CDN) homenageou o deputado em nome dos deputados do partido. “Uma pessoa muito respeitosa, educada e comprometida com a pasta da segurança e também da cultura, onde contribuiu bastante como presidente da Comissão de Cultura”. “Um grande cidadão, um grande paranaense, que fez um mandato voltado para a segurança pública. A maior homenagem que podemos prestar a ele é continuar lutando em defesa das pautas que ele defendia”, afirmou o deputado Professor Lemos (PT), líder da Oposição.

 

 

12/04/2021 | 16:49

SEGUE PARA SANÇÃO PROJETO QUE CRIA O ORÇAMENTO CRIANÇA E ADOLESCENTE (OCA)

 

Deputados aprovam Orçamento Criança Adolescente e projeto segue para sanção do Poder Executivo.. Créditos: Dálie Felberg/Alep

A proposta do Poder Executivo que institui o Orçamento Criança e Adolescente (OCA) foi aprovada em segundo turno de votação na sessão plenária remota realizada nesta segunda-feira (12), na Assembleia Legislativa do Paraná. Com a dispensa de votação da redação final aprovada, o projeto de lei 96/2021 segue agora para sanção, ou veto, do Governo do Estado. De acordo com o Executivo, o projeto tem como objetivo garantir transparência, melhorar a gestão e garantir efetividade na implementação de direitos fundamentais de crianças e jovens paranaenses.

Segundo o Governo, o OCA vai agrupar, selecionar e consolidar um conjunto de ações e despesas destinadas à criança e ao adolescente no orçamento público e na sua execução orçamentária, criando critérios para selecionar e apurar os dados orçamentários, possibilitando assim sua compreensão e monitoramento.

Ainda de acordo com o projeto, caberá ao Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente (CEDCA/PR) indicar as prioridades que servirão de subsídio para elaboração do Plano Plurianual, Lei de Diretrizes Orçamentárias e Lei Orçamentária Anual. Logo, diz a proposta, caberá à Secretaria de Estado da Fazenda editar normas para a marcação das despesas do OCA junto às Leis Orçamentárias.

TJ-PR – Assinado pelo Tribunal de Justiça do Estado Paraná (TJ-PR), o projeto de lei 92/2021, que cria no órgão a Escola Judicial, foi aprovado em primeiro turno de votação. Em sessão extraordinária, também realizada nesta segunda-feira, o texto passou em segunda discussão. Com a dispensa de votação da redação final aprovada, a proposição segue para sanção, ou veto, do Poder Executivo.

Segundo o TJ-PR, a Escola Judicial será uma unidade administrativa integrante da estrutura do órgão, vinculada à presidência daquela Poder. De acordo com a proposição, o objetivo da nova estrutura é promover o desenvolvimento profissional dos magistrados e dos servidores do Poder Judiciário do Estado, além de aprimorar o atendimento ao jurisdicionado, garantindo uma prestação jurisdicional qualificada e célere.

Homenagens – Assinado pelo deputado Tiago Amaral (PSB), o projeto de lei 721/2019, que denomina Pioneiro Antenor Domingues Ferreira o viaduto da BR-376, km 156, acesso aos conjuntos parque Ouro Verde, Jardim Ipê I e Jardim Ipê II, no município de Mandaguaçu, foi aprovado em segundo turno. Com a dispensa de votação da redação final aprovada em plenário, o texto segue agora para sanção, ou veto, do Poder Executivo.

Foi igualmente aprovado em segunda votação, na forma de substitutivo geral, o projeto de lei 71/2020, que institui o Dia Estadual das Policiais Femininas Civil e Militar. De acordo com a proposta, as homenagens às policiais militares serão celebradas anualmente no dia 19 de abril. Já as policiais civis vão receber homenagens anualmente no dia 4 de março.  O texto é assinado pela deputada Cantora Mara Lima (PSD) e pelos deputados Soldado Adriano José (PV), Delegado Fernando Martins (PSL), Solado Fruet (PROS), Do Carmo (PSL).

Já o projeto de lei 852/2019, do deputado Soldado Adriano José (PV), que concede o título de Cidadão Benemérito do Estado do Paraná ao pastor José Jacó Vieira, avançou em primeiro turno de votação.

Utilidade Pública – Passou em segundo turno, na forma de substitutivo geral, o projeto de lei 45/2020, do deputado Artagão Junior (PSB), que concede o título de Utilidade Pública ao Instituto de Promoção, Desenvolvimento Social, Aperfeiçoamento e Capacitação Profissional, de Curitiba. O projeto de lei 251/2020, do deputado Subtenente Everton (PSL), que concede o mesmo título ao Instituto de Ginástica Artística Paranaense, também localizado na capital paranaense, foi igualmente aprovado em segunda. Com a dispensa de votação da redação final aprovada, o texto segue para sanção, ou veto, do Executivo.

Por fim, os projetos de lei que concedem título de Utilidade Pública à Associação Paranaense dos Amigos do Cavalo, de Apucarana (PL 761/2019), e à Associação dos Acadêmicos de Engenheiro Beltrão (PL 566/2020), foram aprovados em primeiro turno de votação. As propostas são de autoria dos deputados Arilson Chiorato (PT) e Hussein Bakri (PSD), respectivamente.

 

12/04/2021 | 16:27

PRESIDENTE TRAIANO CONVOCA SUPLENTE PARA ASSUMIR VAGA ABERTA COM O FALECIMENTO DO DEPUTADO DELEGADO RECALCATTI

Ademir Bier poderá assumir a vaga de deputado estadual aberta com o falecimento do deputado Delegado Recalcatti.. Créditos: Dálie Felberg/Alep

Durante a sessão plenária desta segunda-feira (12) a declaração de vacância do cargo de deputado estadual na Assembleia Legislativa do Paraná, em razão do falecimento do deputado Delegado Recalcatti (PSD) ocorrido na última sexta-feira (9), foi lida pelo primeiro secretário da Assembleia, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB).

O documento, assinado pelo presidente da Assembleia, deputado Ademar Traiano (PSDB), conforme determina o Regimento Interno, também promoveu a convocação do ex-deputado Ademir Bier, terceiro suplente da coligação PSC/PSD nas eleições de 2018, para tomar posse.

Bier recebeu 26.015 votos nas eleições de 2018 e já foi deputado estadual por cinco mandatos.

A posse de Ademir Bier acontece nesta terça-feira (13) na sessão plenária.

 

 

12/04/2021 | 14:58

PEC QUE CRIA A POLÍCIA PENAL CHEGA À ASSEMBLEIA

Proposta que cria a Polícia Penal inicia a tramitação na Assembleia Legislativa do Paraná. Texto precisa ter a admissibilidade aprovado na CCJ antes de ser criada uma Comissão Especial para analisar a proposta.. Créditos: Arquivo SESP

 

A Proposta de Emenda à Constituição que cria o Departamento de Polícia Penal (DEPPEN) foi enviada à Assembleia Legislativa do Paraná pelo Governo do Estado.

A proposta foi lida durante a sessão plenária desta segunda-feira (12) pelo primeiro secretário da Casa, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) que falou também sobre a importância da PEC. “Finalmente a Assembleia Legislativa poderá apreciar a matéria, que é muito relevante como política pública e também para dar uma adequada resposta à categoria de servidores que trabalha em uma área de grande responsabilidade, que lida diariamente com a criminalidade”, afirma.

Para o líder do Governo, deputado Hussein Bakri (PSD), “esse é mais um passo do Governo Ratinho Junior no sentido de valorizar as nossas forças de segurança. Como era um pleito antigo da categoria. A PEC vai reforçar a atuação desses servidores no controle das unidades penais e também na fiscalização do cumprimento de medidas alternativas à prisão, como o uso de tornozeleira eletrônica. Ganha a segurança pública do Paraná e ganham os paranaenses”.

Segundo o Executivo a criação do Departamento de Polícia Penal – DEPPEN, no âmbito da Segurança Pública do Estado do Paraná, promoverá a harmonização da legislação estadual com a recente alteração constitucional promovida pela Emenda Constitucional – EC nº 104, de 05 de dezembro de 2019, a qual previu a Polícia Penal no âmbito dos órgãos integrantes da Segurança Pública nos âmbitos federal, estadual e do Distrito Federal.

O Governo destaca ainda que a medida não trará aumento de despesas para o Estado e que o DEPPEN será “o responsável pelas questões relativas aos presos no Estado do Paraná, mediante atos de gestão, fiscalização, controle e segurança de unidades penais, além da fiscalização do cumprimento das medidas alternativas à prisão, como por exemplo, o monitoramento eletrônico por meio de tornozeleiras”.

O documento que inicia a tramitação no Legislativo segue para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) onde terá que ser aprovada a admissibilidade da PEC. Após isso, será criada uma Comissão Especial que vai analisar o documento. Nessa Comissão os deputados também poderão apresentar alterações ao texto da proposta. Somente após os trabalhos da Comissão Especial é que a PEC seguirá para votação em plenário, sendo necessário o voto favorável de 33 deputados, em dois turnos, para a aprovação.

 

 

12/04/2021 | 14:30

PROCURADORIA DA MULHER PEDE INCLUSÃO DO STALKING PARA DENÚNCIAS NA DELEGACIA ELETRÔNICA DO PARANÁ

Deputada Cristina Silvestri (CDN), procuradora da Mulher na Assembleia Legislativa do Paraná.. Créditos: Dálie Felberg/Alep

A procuradora da mulher da Assembleia Legislativa do Paraná, deputada estadual Cristina Silvestri (CDN), encaminhou requerimento à Secretaria de Segurança Pública (SESP) solicitando a inclusão do crime de perseguição (stalking) na lista de crimes denunciáveis na Delegacia Eletrônica do Paraná. O pedido, protocolado nesta segunda-feira (12), foi feito frente a recente sanção da Lei Federal 14.132/2021, que passou a tipificar esta conduta oficialmente como crime – antes vista apenas como contravenção penal.

“De acordo com as estatísticas, as mulheres são as maiores vítimas desta conduta persecutória, sendo muito comum que a perseguição se inicie após o término de um relacionamento afetivo, especialmente quando o homem não aceita o fim daquela relação e deseja continuar a manter controle sobre sua companheira”, detalha a procuradora Cristina.

O crime de stalking é definido como perseguição reiterada por qualquer meio, pessoalmente ou na internet, que a ameaça a integridade física e psicológica de qualquer pessoa, interferindo sua liberdade e privacidade.

Segundo a parlamentar, caso o crime seja constatado, a lei prevê reclusão de seis meses a dois anos, mais multa. A pena pode ser aumentada em 50% quando o crime for cometido contra mulheres, crianças, adolescentes e idosos. O acréscimo da punição também é previsto no caso de uso de armas e participação de duas ou mais pessoas na prática da perseguição.

“A inclusão é importante para auxiliar na punição e diminuição da violência contra a mulher, ao mesmo tempo que oferece mais um mecanismo de denúncia para as vítimas”, pontua Cristina, lembrando que no ano passado, através também de pedido da Procuradoria, a SESP liberou a denúncia de casos de violência contra a mulher via Delegacia Eletrônica. “Seria uma atualização da funcionalidade que já está disponível”, finalizou a parlamentar.

Enquanto o pedido da Procuradoria é avaliado pela SESP, o crime de perseguição já pode ser denunciado pessoalmente em qualquer unidade da Polícia Civil. Mulheres podem pedir ajuda, também, ao serviço de apoio dos seus municípios, como Secretarias da Mulher, Centro de Referência de Assistência Social (CREAS) e Centros de Referência da Assistência Social (CRAS). Em caso de problemas para registrar a denúncia, a Procuradoria da Mulher pode ser acionada através dos seus canais oficiais – Instagram, Facebook, WhatsApp e e-mail ([email protected]assembleia.pr.leg.br).

 

12/04/2021 | 12:47

DEPUTADOS PARANAENSES VÃO SOLICITAR A PARALISAÇÃO DA REVISÃO DA NORMA REGULAMENTADORA 36

A revisão da NR36 que trata da saúde e segurança dos trabalhadores do setor frigorífico foi tema de audiência na Assembleia Legislativa do Paraná.. Créditos: Reprodução

Um grupo de deputados estaduais paranaenses vai solicitar, juntos à Secretaria de Previdência e do Trabalho do Ministério da Economia, a suspensão da discussão que pretende revisar a Norma Regulamentadora (NR) 36, que trata da segurança de trabalhadores do setor frigorífico. A decisão foi tomada durante uma audiência pública realizada de forma remota nesta segunda-feira (12) na Assembleia Legislativa do Paraná, por proposição do deputado Arilson Chiorato (PT). De acordo com a maioria dos participantes, a revisão da norma neste momento de pandemia pode representar a perda de direitos conquistados pelos trabalhadores.

Para o deputado Arilson Chiorato, as mudanças realizadas agora podem ser extremamente prejudiciais para os trabalhadores do setor. “Temos de ter cuidado ao fazer estas revisões, ainda mais quando elas atingem diretamente o trabalhador. Entendemos que podemos permitir a diminuição dos direitos conquistados. Neste momento de pandemia, temos de cuidar da vida. Por isso aprovamos o envio de um ofício ao Ministério da Economia solicitando que essas mudanças não sejam feitas agora”, explicou o parlamentar. Além dele, os deputados Professor Lemos (PT) e Luciana Rafagnin (PT) participaram da reunião e apoiaram o encaminhamento do documento. Chiorato informou que vai buscar a participação de mais parlamentares na sessão plenária desta segunda-feira.

A NR 36 estabelece os requisitos mínimos para a avaliação, controle e monitoramento dos riscos existentes nas atividades desenvolvidas na indústria de abate e processamento de carnes e derivados destinados ao consumo humano. A norma pretende garantir a segurança, a saúde e a qualidade de vida no trabalho. As NRs são um conjunto de disposições e procedimentos técnicos relacionados à segurança e saúde do trabalhador em determinada atividade ou função profissional. Atualmente existem 36 normas regulamentadoras em vigor no País. Todas essas desenvolvidas pelo antigo Ministério do Trabalho e Emprego. Elas foram criadas para proteger os trabalhadores durante o expediente de trabalho e devem ser aplicadas por todas as empresas do Brasil.

Em dezembro de 2020, o Governo Federal abriu uma consulta pública, finalizada em fevereiro de 2021, para a tomada de subsídios a fim de identificar os possíveis problemas regulatórios, as alternativas existentes e suas repercussões e subsidiar os trabalhos de revisão da Norma Regulamentadora 36. Ao todo foram recebidas 333 contribuições. A NR 36 está entre as 22 normas que serão revisadas pelo Governo Federal no decorrer deste ano.

Debate – Para a presidente da Associação Nacional Dos Magistrados de Justiça do Trabalho, juíza Noêmia Garcia Porto, a pandemia só evidenciou ainda mais os problemas dos trabalhadores do setor. Segundo ela, estão entre os principais o desrespeito aos limites de carga horária, trabalho físico extenuante e o assédio moral. Na visão da especialista, a NR 36 contribuiu para a diminuição destes problemas e o número de trabalhadores doentes. Alterações agora poderiam limitar o alcance da norma. “Estamos discutindo uma tentativa de diminuição dos direitos no meio ambiente do trabalho em frigoríficos. A Constituição assegura aos trabalhadores a redução dos riscos no trabalho”, afirmou.

Auditor fiscal do trabalho da Secretaria de Previdência e do Trabalho do Ministério da Economia, Mauro Marques Mueller explicou que a questão é tratada com seriedade pela pasta. Ele detalhou os caminhos da revisão até a aprovação por um comitê composto por representantes do governo, da classe trabalhadora e das entidades patronais. “A revisão foi colocada em consulta pública. Este é um processo de construção coletiva. O texto base vai para a consulta pública mais uma vez.  Depois vamos discutir item por item com os representantes dos trabalhadores e dos patrões”, esclareceu.

Já para Marcelo Osório, da Associação Brasileira de Proteína Animal, as revisões na norma são necessárias para manter o setor como um dos que mais gera empregos no País. “Quero destacar a importância do setor frigorífico para a geração de emprego e renda. São 400 mil empregados de forma direta e mais de quatro milhões de forma indireta. Temos uma importância para a economia e esta anda ligada à saúde. Não deixamos de lado a saúde do trabalhador. Somos pioneiros em regras rígidas de segurança. Estamos do mesmo lado da discussão, não em lados opostos. Todas as NRs estão passando por revisão”, argumentou.

Na opinião de Nelson Morelli, presidente da Confederação Brasileira Democrática dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (CONTAC-CUT), as mudanças propostas preocupam. “Esta é uma discussão importante em um cenário terrível. Não sabemos ainda das sequelas no pós-pandemia. Este não é o momento para discutir revisão. Não vamos abrir mão de nossos direitos”, afirmou.

Para o procurador do Ministério do Trabalho e vice gerente do Projeto Nacional de Adequação do Trabalho em Frigoríficos, Lincoln Cordeiro, as revisões são normais, o que não pode ocorrer são retrocessos. “A NR 36 estabelece parâmetros mínimos de proteção ao trabalhador. Estamos passando pela maior crise sanitária da história. É o momento certo de discutirmos, por videoconferência, alterações de norma?”, indagou. “O que queremos é que o setor seja referência mundial em saúde e proteção ao trabalhador”, completou.

 

 

12/04/2021 | 11:24

DEPUTADOS LAMENTAM A MORTE DA EX-DEPUTADA IRONDI PUGLIESI

A ex-deputada estadual Irondi Pugliesi (73) faleceu nesta segunda-feira (12), em Arapongas, em razão das complicações da Covid-19. Irondi foi deputada estadual entre os anos de 1983 a 1991 e de 1995 a 1999 e foi casada com o também ex-deputado Waldyr Pugliesi. Ela estava internada desde março no Hospital Honpar, de Arapongas. O pai e a irmã de Irondi também faleceram vítima da Covid-19.

“Lamentamos o falecimento dessa grande pessoa, uma mulher guerreira, uma parlamentar exemplar seja aqui na Assembleia ou na Câmara de Vereadores de Arapongas onde também exerceu mandato. Defensora dos direitos das mulheres em uma época em que não se discutia tão abertamente o assunto como hoje. Infelizmente é mais uma vítima da covid-19. Os meus sentimentos ao amigo Waldyr e toda a família”, disse o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Ademar Traiano (PSDB).

O primeiro secretário da Assembleia, deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) usou o Twitter para expressar sentimentos pela morte da ex-deputada. “Lamento a morte por Covid-19 da querida ex-deputada Irondi Pugliesi. Foi ela que no início da década de 1980 implantou o primeiro Conselho da Condição Feminina no Paraná. Perdemos uma lutadora a favor dos direitos humanos e da democracia. Ao Waldyr e filhas minhas condolências”.

O pai de Irondi, Liberto Mantovani, de 97 anos, faleceu no último 28 de março, também vítima da Covid-19. Ele também estava internado no Honpar. A pouco tempo, a ex-deputada perdeu a irmã Irahi Mantovani de 75 anos, também por complicações do novo coronavírus.

Perfil – Irondi Pugliesi é casada com Waldyr Pugliesi, ex-prefeito municipal de Arapongas. É mãe de três filhas.

Foi vereadora de Arapongas pelo MDB, de 1973 a 1977. Primeira mulher eleita deputada estadual na história do Paraná pelo PMDB em dois mandatos – de 1983 a 1991. Foi presidente do Conselho Estadual da Condição Feminina desde sua fundação, em 1986. Integrou a comissão que elaborou o anteprojeto da criação do Conselho Nacional dos Direitos da Mulher, sendo sua representante no Paraná. Representou o Paraná na conferência promovida pela Organização das Nações Unidas (ONU), em Nairobi – Quênia (África), para avaliação da década da mulher, em 1985; no Congresso Nacional de Mulheres, promovido pela Federação Democrática Internacional de Mulheres em Moscou, em julho de 1987 e no 4 o Encontro Feminista Latino Americano e do Caribe, em 1987, no México.

A convite da Federação das Mulheres Cubanas, visitou Cuba como integrante da Comissão do Conselho Estadual da Condição Feminina.

A convite da Frente Ampla de Mulheres do Chile, participou da manifestação contra a ditadura de Pinochet, em 08 de março de 1987 – Dia Internacional da Mulher.

Autora da lei que proíbe a instalação de usina nuclear no Estado do Paraná.

Primeira mulher a participar da Assembleia Estadual Constituinte, onde teve 80% de suas propostas aprovadas, sendo autora da emenda ao artigo n° 170, estabelecendo como dever ao Poder Público o atendimento em creche e pré-escola às crianças de até seis anos de idade. É autora do projeto que instituiu a distribuição gratuita de leite de soja no município de Arapongas.

Fundadora do MDB e do PMDB; presidente do PMDB Feminino do Paraná por três gestões; delegada à Convenção Nacional e membro do Diretório Regional.

Fundadora e presidente do PST de Arapongas em 1991 e eleita membro do Diretório Regional em 1992. Presidente do PP de Arapongas e vereadora eleita em 1992.

Em 1994 elegeu-se deputada estadual para o seu terceiro mandato.

Na Assembleia Legislativa foi vice-presidente da Comissão de Ecologia e Meio Ambiente e titular da Comissão de Educação, Cultura e Esportes e ainda suplente da Comissão de Saúde Pública.

 

 

12/04/2021 | 17:28

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DA POLÍCIA PENAL É LIDA EM PLENÁRIO

Proposta que cria a Polícia Penal inicia a tramitação na Assembleia Legislativa do Paraná. Texto precisa ter a admissibilidade aprovado na CCJ antes de ser criada uma Comissão Especial para analisar a proposta.. Créditos: Arquivo SESP

O primeiro-secretário da Assembleia Legislativa do Paraná, deputado Luiz Cláudio Romanelli (PSB), leu na sessão plenária desta segunda-feira (12) o envio da mensagem do Poder Executivo que cria a Polícia Penal no Paraná.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) passa agora pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) e, na sequência, será instalada uma comissão especial para sua análise.

De acordo com o deputado Romanelli, a criação do Departamento de Polícia Penal no âmbito da Secretaria de Estado da Segurança Pública é uma proposta muito bem construída.

12/04/2021 | 12:01

MORRE POR COMPLICAÇÕES DA COVID-19 EX-DEPUTADA, IRONDI PUGLIESI

Ex-deputada Irondi Pugliesi morre aos 73 anos em decorrência de complicações da Covid-19.. Créditos: Arquivo pessoal

A ex-deputada estadual Irondi Pugliesi de 73 anos é mais uma vítima da Covid-19. Ela morreu nesta segunda-feira (12), em Arapongas.  Ela estava internada no Hospital do Norte Paranaense (Honpar) desde 16 de março.

Irondi foi deputada estadual em 1994, sendo na época a única mulher na Assembleia Legislativa do Paraná e marcou a história da política. Irondi foi a única mulher a participar da elaboração da Constituição do estado. Foi eleita deputada estadual por três mandatos –  com representatividade na bancada feminina da Assembleia Legislativa do Paraná. Foi também vereadora em Arapongas, além de já ter sido primeira-dama do município, durante os três mandatos de prefeito do marido Waldyr Pugliesi, também ex-deputado estadual.

Irondi teve forte participação na área pública e defendia causas e mais participação das mulheres na política.  Fundou e foi a primeira presidente do Conselho Estadual da Condição Feminina. Durante homenagem aos ex-deputados estaduais, em 2013, pela Assembleia Legislativa, durante a sessão de interiorização realizada em Apucarana, Irondi declarou: “Acredito em pessoas sérias e honestas defendendo a população, honrando os votos recebidos”.

Recentemente, a irmã de Irondi, Irahi Mantovani, de 75 anos, e o pai Liberto Mantovani, de 97 anos, um dos pioneiros de Arapongas, também faleceram em decorrência da Covid-19.

Comentários estão fechados.

Veja Também

Paraná aguarda grande volume de vacinas em agosto, diz Romanelli

O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB) afirmou nesta quarta-feira, 28, que o Paraná aguar…