Home / Irati / Irati registra 1º caso de dengue autóctone

Irati registra 1º caso de dengue autóctone

Na manhã do último dia 11, no Centro de Tradições Willy Laars, o prefeito Jorge Derbli, acompanhado das secretárias de Saúde e de Ecologia e Meio Ambiente, em meio aos agradecimentos pelo envolvimento de todos no Dia D, realizado um dia antes (10), anunciou o registro do primeiro caso de dengue autóctone em Irati.

A notícia, confirmada pela secretária de Saúde, Magali Salete de Camargo, é um triste desdobramento dos mais de 400 focos do mosquito Aedes aegypti identificados desde o início do ano no município. A pessoa apresentou os principais sintomas da enfermidade e, assim que constatada a infecção, foi imediatamente hospitalizada. Trata-se da primeira ocorrência da dengue contraída aqui mesmo, em Irati e não foi divulgada a região da cidade em que o caso foi descoberto. Dos 20 casos investigados no município, há ainda outro caso importado de dengue (quando a pessoa contrai em outra cidade).

Na oportunidade em que as autoridades presentes no CT acompanhavam o balanço da mobilização ocorrida um dia antes, a secretária de Ecologia e Meio Ambiente, Magda Adriana Lozinski, avaliou em cerca 40 toneladas o montante de lixo recolhido durante a força tarefa empreendida na cidade. Segundo ela, o lixo centralizado naquele espaço passará por triagem pela Cooperativa e pela Associação dos Catadores. Os demais caminhões que ainda carregam o lixo levarão as cargas igualmente para as duas entidades.

O prefeito de Irati, Jorge Derbli, agradeceu ao empenho de todos os envolvidos na operação de limpeza da cidade e aos moradores que colaboraram. “Este é um processo que não pode parar e precisa prosseguir com a participação de toda a nossa população, ainda mais agora em que registramos este caso de dengue em Irati e confirmamos que a doença realmente está entre nós e pode infectar qualquer um”, concluiu Derbli.

O que é dengue

A dengue é uma doença febril aguda causada por um vírus, sendo um dos principais problemas de saúde pública no mundo. É uma doença potencialmente grave, porque pode evoluir para a dengue hemorrágica e a síndrome do choque da dengue, caracterizadas por sangramento e queda de pressão arterial, o que eleva o risco de morte. A melhor maneira de combater esse mal é atuando de forma preventiva, impedindo a reprodução do mosquito.

Segundo o boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, divulgado em janeiro último, em 2018, de 31/12/2017 a 29/12/2018 foram registrados 265.934 casos prováveis de dengue no Brasil, com uma incidência de 127,5 casos/100 mil hab. Destes, 174.724 (65,7%) casos foram confirmados.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que entre 50 a 100 milhões de pessoas se infectem anualmente com a dengue em mais de 100 países de todos os continentes, exceto a Europa. Cerca de 550 mil doentes necessitam de hospitalização e 20 mil morrem em consequência da dengue.

Dengue clássica

A dengue clássica é a forma mais leve da doença, sendo muitas vezes confundida com a gripe. Tem início súbito e os sintomas podem durar de cinco a sete dias, apresentando sinais como febre alta (39° a 40°C), dores de cabeça, cansaço, dor muscular e nas articulações, indisposição, enjoos, vômitos, entre outros.

Dengue hemorrágica

A dengue hemorrágica acontece quando a pessoa infectada com dengue sofre alterações na coagulação sanguínea. Se a doença não for tratada com rapidez, pode levar à morte.

No geral, a dengue hemorrágica é mais comum quando a pessoa está sendo infectada pela segunda ou terceira vez. Os sintomas iniciais são parecidos com os da dengue clássica, e somente após o terceiro ou quarto dia surgem hemorragias causadas pelo sangramento de pequenos vasos da pele e outros órgãos. Na dengue hemorrágica, ocorre uma queda na pressão arterial do paciente, podendo gerar tonturas e quedas.

Síndrome do choque da dengue

A síndrome de choque da dengue é a complicação mais séria da dengue, se caracterizando por uma grande queda ou ausência de pressão arterial, acompanhado de inquietação, palidez e perda de consciência. Uma pessoa que sofreu choque por conta da dengue pode sofrer várias complicações neurológicas e cardiorrespiratórias, além de insuficiência hepática, hemorragia digestiva e derrame pleural. Além disso, a síndrome de choque da dengue não tratada pode levar a óbito.

Transmissão

A dengue não é transmitida de pessoa para pessoa. A transmissão se dá pelo mosquito que, após um período de 10 a 14 dias contados depois de picar alguém contaminado, pode transportar o vírus da dengue durante toda a sua vida.

O ciclo de transmissão ocorre do seguinte modo: a fêmea do mosquito deposita seus ovos em recipientes com água. Ao saírem dos ovos, as larvas vivem na água por cerca de uma semana. Após este período, transformam-se em mosquitos adultos, prontos para picar as pessoas. O Aedes aegypti procria em velocidade prodigiosa e o mosquito da dengue adulto vive em média 45 dias. Uma vez que o indivíduo é picado, demora no geral de três a 15 dias para a doença se manifestar, sendo mais comum cinco a seis dias.

Aedes aegypti

Acredita-se que o mosquito Aedes aegypti chegou ao Brasil pelos navios negreiros, uma vez que as primeiras aparições do mosquito se deram no continente africano.

Menor do que os mosquitos comuns, é preto com listras brancas no tronco, na cabeça e nas pernas. Suas asas são translúcidas e o ruído que produzem é praticamente inaudível ao ser humano.

O macho, como de qualquer espécie, alimenta-se exclusivamente de frutas. A fêmea, no entanto, necessita de sangue para o amadurecimento dos ovos que são depositados separadamente nas paredes internas dos objetos, próximos a superfícies de água limpa, local que lhes oferece melhores condições de sobrevivência. No momento da postura são brancos, mas logo se tornam negros e brilhantes.

No início do século XX, o médico Oswaldo Cruz implantou um programa de combate ao mosquito, visando reduzir os casos de febre amarela. Essa medida chegou a eliminar a dengue no país durante a década de 1950.

No entanto, a dengue voltou a aparecer no Brasil, na década de 80. Segundo o Ministério da Saúde, a primeira ocorrência do vírus no país, comprovada laboratorialmente, ocorreu entre 1981 e 1982, em Boa Vista, aqui no Paraná.

Sobre CLAYTON ARISTOCRATES MOLINARI BURGATH

Jornalista, Membro da Academia de Letras, Artes e Ciências do Centro-Sul do Paraná. Assessor de Imprensa e Comunicação

Veja Também

Irati: Auditores do TCE – PR concluem conferência das obras paralisadas

Entre os dias 08 a 11/04/2019, auditores do Tribunal de Contas do Estado do Paraná ...

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.