Home / Policia / Comissão especial deve começar votação de proposta que unifica polícias na próxima semana

Comissão especial deve começar votação de proposta que unifica polícias na próxima semana

Proposta de Emenda à Constituição prevê ciclo policial completo, Conselho Nacional de Segurança Cidadã e fim da Justiça Militar dos estados. A PEC é o principal item do relatório final do deputado Vinícius Carvalho, do PRB paulista, apresentado, nesta quarta-feira, na comissão especial da Câmara que estudou a unificação das polícias civis e militares. Vinícius propõe um novo modelo de polícia nos estados, sem vinculação com as Forças Armadas. A PM se transformaria em “polícia estadual” com ações ostensivas e de apuração de infrações penais, enquanto a polícia civil passaria a se chamar “polícia estadual investigativa”, com a missão de apurar infrações penais de alta complexidade. O texto dá aos estados a possibilidade de adoção do chamado “ciclo completo”, unindo as duas polícias em uma única corporação.

“Não tem como uma polícia começar um trabalho e a outra terminar. Aí está o índice de elucidação dos crime no nosso país: 8% em média”.

Não há hipótese de redução salarial, mesmo em caso de unificação das polícias. Vinícius Carvalho cita outros princípios que deverão orientar o novo modelo policial.

“A valorização dos profissionais de segurança pública tem que existir. A carreira única dos policias: aquele que entra deve ter a possibilidade de chegar ao posto de comando. Uma atuação de órgãos de controle externo para verificar e acompanhar a atividade policial”.

A PEC proíbe a sindicalização e a greve de policiais e prevê unidade na doutrina, além de formações inicial e continuada em uma única academia de polícia. Acaba a Justiça Militar dos estados. E os bombeiros também perderiam a vinculação militar.

“A nossa questão da ligação umbilical com o Exército: em nenhum dos nove países que visitamos, há essa ligação da polícia (estadual) com a polícia do Exército”.

No texto, Vinícius Carvalho defende a valorização dos princípios de polícia comunitária e a atuação policial “orientada para a pacificação social e para o uso ordenado e progressivo da força”. Prevê ainda a criação do Conselho Nacional de Segurança Cidadã, com competência de controle da atividade policial e de padronização de procedimentos operacionais. O órgão teria 17 membros, entre representantes de Executivo, Justiça, Ministério Público, OAB, polícias e bombeiros, além de dois cidadãos indicados pela Câmara e pelo Senado. Outro foco da PEC é a garantia de recursos. O texto cria o FUNASCI, Fundo Nacional de Segurança Cidadã. A União e os municípios ficariam obrigados a aplicar anualmente, pelo menos, 5% da receita de impostos na manutenção e desenvolvimento das ações de segurança pública. No caso dos estados, esse índice sobe para 10%.

“Não podemos continuar aceitando que União, estados e municípios continuem reduzindo recursos para a área de segurança pública”.

Também fazem parte da proposta a criação da Escola Nacional de Segurança Pública e de um centro nacional de estatísticas para a consolidação de dados da área. União, estados e municípios ficariam obrigados a estabelecer planos de segurança pública, a cada 10 anos, com metas e sistemas de avaliação. Mesmo em caso de aprovação na comissão especial, a PEC de Vinícius Carvalho ainda dependerá do apoio de 1/3 (171 assinaturas) dos deputados para iniciar a tramitação na Câmara. O deputado argumenta que é preciso mudar um modelo policial “fracassado”, que, só em 2016, não conseguiu evitar mais de 61 mil mortes violentas no país. Em 2017, 453 policiais civis e militares foram assassinados.

Reportagem – José Carlos Oliveira

Sobre CLAYTON ARISTOCRATES MOLINARI BURGATH

Jornalista, Membro da Academia de Letras, Artes e Ciências do Centro-Sul do Paraná. Assessor de Imprensa e Comunicação

Veja Também

Rio Azul: homem com mandado de prisão por estupro de vulnerável é preso pela PM

http://www.portalnoticiadaregiao.com.br/wp-content/uploads/2018/07/Rio-Azul-estupro-De-Vulnerável-1.m4v Espalhe por ai:

DEIXAR UM COMENTÁRIO

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.